quarta-feira, 4 de abril de 2012

MANIFESTO MEU

Viva  ESTUPIDEZ. A morte da moral está próxima.
aliás, a moral política. nem ética, nem lógica. eis o exército de engravatados
cuspindo reuniões idiotas e comissões parlamentares para mascarar ou justificar
todas as ridículas atitudes dos homens em quem votamos. Brasília deveria começar a ser escrita brasília.
meu nojo é brasileiro. vomitei e vomito todos os dias
meu suco gástrico inconformado com a incompetência humana.
Demóstenes, Magalhães, Malufs e os anões dos orçamentos de todos os anos.
e tudo sob a batuta de uma torturada política.

Lula tem câncer. Fidel tem câncer. o mundo humanizado tem câncer.
VIVA A MEDIOCRIDADE. viva o improviso daqueles que trabalham com educação. viva o teatro amador.

a igreja católica perdeu a força, mas as igrejas continuam vendendo pequenos lotes no céu
e todas as tribos agora são catequizadas pelos homens que milagrosamente enriquecem e pregam o enriquecimento.

nem o coito é mais importante. nem o teatro. nem a escrita. nem a cultura.

vou fazer um caldeirão cheio de azeite quente
e botar uma baiana soteropolitana para cozinhar todas os livros bíblicos que deseducam
as tribos do novo mundo.

Jesus não chegou e nunca chegará.
chegaram sim, os jesuses engravatados.
o mundo está cheio de divinos...

ai que nojo do homem brasileiro que desaprendeu a morte necessária
para uma vida melhor...

que nojo de mim mesmo que nem sei mais fazer arte. da minha também incompetência...
estou morto....

segunda-feira, 2 de abril de 2012

'' Os fins justificam os meios ''...(???)




O título desta postagem me vem à cabeça todas as vezes em que penso nas falcatruas políticas do mundo, mas principalmente nas falcatruas políticas do meu país. Principalmente porque sei que, graças a estas estupidezes, muita coisa deixa de acontecer, inclusive no que diz respeito ao que é de direito do povo, e que, lhes é negado, tendo como justificativa, sempre, que falta verba.
Ainda sobre a frase-título, ela foi divulgada por Maquiavel em seu O PRÍNCIPE (1513), para dizer que ''  não importa o que o governante faça em seus domínios, desde que seja para manter-se como autoridade ''. Nesta obra Maquiavel sugere a CENTRALIZAÇÃO MÁXIMA DO PODER nas mãos do governante, não absolutista.
Em Brasília, Maquiavel e sua obra devem ser livros de cabeceira de figuras como o Sr. DEMÓSTENES TORRES, cuja notoriedade esteve e está em alta nos últimos dias. Ainda que por razões diferentes dos políticos da época.
Demóstenes Torres diz já ter sua defesa pronta.
Pera aí? Mai qui defesa véio?



Sei que um dos princípios básicos de um julgamento é a defesa. Mas, porra, depois de tanta meleca exposta numa privada só, será que ainda há o que dizer? O que pensa o senador só de imaginar-se articulando sobre o assunto? Talvez pense que não vai dar em nada, e que tudo ficará esquecido e etc e tal, mas cacete!, será mesmo que nem pra ser bode expiatório de uma falsa democracia, falida e ancorada por artifícios politiqueiros, alguém vá começar a mudar tudo isso, definitivamente saneando BRASÍLIA com um desinfetante poderoso de verdade? Caraio véio que merda.
É claro que num outro contexto, numa outra situação afinal uma leitura apressada ou enviesada de Maquiavel pode levar-nos a entendê-lo como um defensor da falta de ética na política, em que "os fins justificam os meios". E não é bem isso. Outrossim para entender sua teoria é preciso entender o contexto da Itália renascentista... enfim... blá blá blá...
É triste ver que , infelizmente isso é aspecto comum, já que acontece e sempre acontecerá, já que o poder corrompe e que  cargos políticos deixaram de ser caminhos para se melhorar a vida do povo, e se tornaram empregos novos, principalmente para artistas analfabetos e esportistas falidos, interessados em manter seus gordos salários até o fim de seus dias.
Voltando à bola da vez, estou muito curioso para ver como se livrará das acusações, ou melhor, como se defenderá dessa '' imprensa marrom '', o Senador Demóstenes.
Que pena que não temos memória. Que pena que não fazemos nenhuma força para pelo menos fazer valer nossos votos...
Que vergonha de ser brasileiro. De ser roubado, estuprado, vilependiado na minha dignidade. Como posso exigir que meu filho, digo, meus sobrinhos, sejam pessoas melhores diante de tudo isso. Eles podem me perguntar '' para quê tio? ''.

COMO DESPERTAR O INTERESSE PELA LEITURA NOS ESTUDANTES...




Há uma importância crucial da Literatura no processo do entendimento geral, e no processo mais globalizado do entendimento. Ler é conhecer ou apreender outros universos.
Só que, mais do que nunca é preciso saber como tornar agradável ao aluno do Ensino Médio, a leitura de clássicos como Dom Casmurro ( Machado de Assis), por exemplo.

Ainda dando pitacos, tenho meus motivos, creio que os profissionais de ensino devessem começar por textos mais curtos e curiosos de Machado, como os contos, por exemplo.

Despertar a curiosidade, mesmo para os que não venham a desenvolver o hábito da leitura, é o segredo. Exercitar o entendimento, parafraseando ou parodiando tais pequenos textos também.

E aí, disparar MEMÓRIAS PÓSTUMAS DE BRÁS CUBAS, sem partindo para uma visão mais próxima de Woody Allen, com suas crônicas mais ácidas e intelectualizadas.

É difícil, principalmente quando você topa com profissionais de ensino que, sequer sabem que partindo pelo caminho mais '' fantasioso '' de um autor como Machado, talvez se consiga uma nesga que seja de atenção, e, daí para DOM CASMURRO, e outros autores.

Não adianta dizer LEIAM e jogar o livro na carteira. É importante que se esmiuce com o aluno, ainda que esporadicamente, alguns capítulos.

E isso requer empenho e paciência. Muito mais que formação univesitária. Formação humana.

quarta-feira, 14 de março de 2012

PIXINGUINHA - o Macunaímico

Não, não estou louco, e nem se trata de uma das viagens zecelsianas verborrágicas.
Até Mario de Andrade soube reconhecer-lhe a importância. E por conta disso mencionou-o no romance do Herói sem nenhum caráter: '' um negrão, filho de ogum, bexiguento e fadista.''
É que Mario quis saber dele algo sobre a '' macumba ''. E num momento em que os ilelectuais estavam começando a se aproximar da música popular.
Há muito que se dizer sobre o Negrão Filho de Ogum. Muitas curiosidades. Pixinguinha chegou a tocar nas orquestras que sonorizavam, escondidas, os filmes mudos.
No começo dos anos 60 criou uma trilha sonora completa, a convite de Alex Viany, que rodava Sol sobre Lama. Projeto que, inclusive, deu origem à parceria com Vinícius de Moraes, que pôs letra em músicas célebres, como Lamento.



Também foi protagonista na primeira transmissão do rádio brasileiro , em 1922. E isso rendeu-lhe a popularidade junto ao público ouvinte.
Foi o primeiro músico profissional do país. Desde os 14 anos, saía do Colégio São Bento (RJ), e ia até a Lapa, tocar numa casa chamada La Concha. Tocava e recebia como adulto.
No dia 17 de fevereiro de 1973, de carnaval, vestiu-se bonito, de terno e foi a uma igreja em Ipanema, para batizar o filho de um amigo. E morreu ali, na Igreja Nossa Senhora da Paz, aos 75 anos. No bolso, trazia um trecho da melodia de Carinhoso, transcrita num papel, com uma dedicatória ao afilhado.




                                                 Com Vinícius de Moraes.


A importância de Pixinguinha acompanha a evolução da cultura brasileira. Se nos lembrarmos que o nosso melhor, sempre aconteceu quando o clássico encontrou, aceitou e entendeu o popular.


O CENTRO CULTURAL BANCO DO BRASIL, de 13-03 a 06-05, abriga uma exposição sobre Pixinguinha, em Brasília.








segunda-feira, 12 de março de 2012

INCOMPETÊNCIA

ESCOLAS DE SÃO PAULO PROÍBEM ALUNAS  DE ASSISTIREM SUAS AULAS, POR ACHAREM QUE AS MENINAS USAVAM ROUPAS SENSUAIS DEMAIS.

 




Até seria compreensível, se ainda estivéssemos vivendo no século XIX, que os responsáveis pelas instituições de ensino me dissessem que a minha '' vestimenta '' não é '' adequada ''.
Considerando ainda que, certos profissionais de ensino, vivem ainda, senão neste, mas ainda em séculos anteriores, deveriam experimentar, por exemplo, melhorar o ensino em suas salas-de-aula.
Duvido muito que uma dessas profissionais ainda vá em assistir a incompetente aula dada por seus incompetentes professores públicos.
Tais comportamentos não passam de irrelevâncias, dada a deficiência do ensino público no país. Digo público, mas a coisa vai além. Assim, refazendo a frase ... no ensino brasileiro.
Profissionais que não se adequam deveriam se reciclar.
Claro que , aspectos morais são construídos durante o tempo que nossos fedelhos passam na escola. Aliados aos que nós, em nossas casas passamos para eles. Mas é idiotice imaginar que proibindo uma vestimenta, que aliás nem era tão imoral assim - dessa forma acho que o problema é com a diretora -, que vamos conseguir difundir valores bacanas nessa molecada.
O que, por outro lado também é um perigo, porque essas mesmas crianças podem vir a pensar assim também, quando adultas, repetindo a burrice das  '' profissionais de ensino ''.
É preciso pão, escola boa, professor bom e bem pago, reforma no ensino e universidades que não formem exércitos de incompetentes, fabricando cada vez mais diplomas.
Que saco. É preciso mais, muito mais que proibir. É preciso esclarecer. E não com repressão. Com boa educação.

Ailson Leite

quinta-feira, 8 de março de 2012

MULHER

Costumo dizer que mulher é muito melhor que homem. Sem nenhuma conotação sexual, ainda que isso também não fosse problema, o sexo nunca frágil conseguiu ser, durante toda a sua evolução a melhor imagem do ser humano.
Infelizmente, todos, ou pelo menos quase todos os problemas morais, sociais e éticos pelos quais passam as mulheres, tem sua origem no PECADO ORIGINAL, carregado por Eva, no Antigo Testamento da Bíblia.
Independente de tudo isso, são elas a melhor tradução do humano.
Por isso vou me limitar a dizer a todas que  ouçam muito Chico Buarque hoje, pois só ele pode traduzir o que realmente é o universo feminino, no melhor e no pior da existência.
Viva as mulheres - não estou muito a fim de intelectualizar hoje.




quarta-feira, 7 de março de 2012

Caetano na trilha do Documentário sobre PINA BAUSCH

De acordo com a colunista Mônica Bergamo, do jornal Folha de S.Paulo, a música O Leãozinho, de Caetano Veloso, estará no documentário sobre a coreógrafa Pina Bausch, que morreu em 2009.
Segundo a publicação, Win Wenders, que dirigiu o documentário, escreveu um e-mail para o cantor dizendo que viu o alemão Lutz Förster dançando a música e se apaixonou por ela, tanto que decidiu colocá-la no documentário. Caetano respondeu que adorava a coreógrafa e que sente falta como se tivesse passado a vida perto dela. A colunista diz que ele aceitou a proposta e autorizou a inclusão da música no documentário.

Consegui descobrir no youtube, um trecho com a música de Caetano. Veja:



Pina em 3d...

Estou ansiosíssimo para ver o filme.  Por enquanto, um ''tequinho'' do que vem por aí.


Belo tributo.




O website do Wuppertal Tanztheater anunciou, na manhã do dia 30 de Junho de 2009, que a sua directora e coreógrafa faleceu, aos 68 anos, vítima de um cancro pulmonar fulminante diagnosticado  dias antes.
Ainda no domingo 21 aparecera no palco da Wuppertaler Opernhaus e, para além de um estranho cansaço, nada previa que, a semana passada, tivesse dado entrada para fazer alguns exames e não mais abandonasse o hospital. O inesperado da sua morte chocou todo o Mundo da Dança, pois era considerada não só um ícone como uma artista que revolucionou a maneira de ver e fazer a própria dança.
Alta e pálida, invariavelmente vestida de escuro, Philippine Bausch – que o Mundo conhecia por Pina Bausch - usava o cabelo comprido a apanhado atrás, tinha olheiras profundas e acompanhava-se regularmente de cigarros. Companheiros que a ajudavam a esconder a timidez e ocupam as mãos, quando confrontada com jornalistas e fotógrafos que, sempre que podia, evitava.
Tinha um ar distante e triste e, muitas vezes, o seu rosto era o espelho de grande parte da suas obras que pareciam assentar em pressupostos depressivos. Não gostava de falar de si e, muito menos, das suas peças - “stucks”, assim lhes chamava.
Perguntaram-lhe tantas vezes (e em tantos lugares) a razão deste ou daquele bailado, como se desenvolvia o seu processo coreográfico - imitado por milhares de artistas em todo o planeta -, como escolhia os seus intérpretes e como explorava os seus medos e sentimentos, que qualquer entrevista era uma mistura de suplício e desafio para quem interrogava e, sobretudo, para quem estava cansada dessa obrigação que o seu difícil ofício também exige.
Depois de vários livros escritos por alemães, italianos, norte-americanos, franceses, ingleses e escritores de outras nacionalidades, pouco havia para perguntar mas, as respostas, essas, eram tudo menos triviais.
Nascida em Solingen em 27 de Julho de 1940, começou aos 14 anos com um dos mestres da dança moderna alemã, Kurt Jooss, na escola de Essen, para a qual voltaria em 62, depois de uma passagem pela famosa Juilliard School, de Nova Iorque. Aí estudou com Antony Tudor, que muito a influenciou, e até dançou obras clássicas. Contudo, o seu estilo, viria a seguir uma direcção muito diferente, quando começa a coreografar no Folkwang Ballet (de Jooss) que dirige de 69 a 73. Em 74 funda a sua única companhia, o Wuppertal Tanztheater, que se tornaria um marco na dança da segunda metade do século vinte. Desde então produziu, em média, um espectáculo por temporada. O seu primeiro grande êxito surgiu em 75 com uma inusitada (e sensual) produção de “A Sagração da Primavera”, em que o palco estava coberto por terra molhada e os bailarinos em roupas que acentuavam as formas dos corpos. Três anos depois, cria outra peça de referência, “Café Muller”, em que solidifica um novo estilo, a dança-teatro, herdeira da Dança Expressiva alemã. A sua reputação não mais parou de crescer e os seus trabalhos, baseados em sentimentos de angústia, alienação, frustração e crueldade, punham, sistematicamente, em causa ideias pré-concebidas associadas ao género e ao sexo.

A sua frase mais famosa resume bem aquilo que pensava que era primordial no movimento e que fez questão de salientar nos seus espectáculos. “Não me interessa como os meus bailarinos dançam mas sim o que os faz dançar”. Porém, não era bem assim, já que escolhia, sistematicamente, para o elenco da sua companhia bailarinos de formação clássica mas que fossem bons “performers” e, de preferência, que tivessem uma personalidade vincada.

A sua contribuição para a ópera foi significativa a também a sétima arte teve um pouco da sua mão. Participou no filme de Fellini “E la nave va”, dirigiu “O Lamento da Imperatriz” e sequências de obras suas apareceram no filme de Pedro Almodóvar, “Fala com Ela”. Aquando da sua estadia em Lisboa, para a criação de “Masurca Fogo”, Fernando Lopes registou todo o processo criativo num documentário intitulado "Lissabon/Wuppertal/Lisboa". Desde Setembro de 2008, que o cineasta Wim Wenders trabalha numa biografia cinematográfica de Pina Bausch. Um documentário que se espera estar concluído nos próximos meses.
O seu acervo coreográfico, durante mais de três décadas, permaneceu uterinamente ligado à companhia de Wuppertal tendo apenas vendido uma obra, a “Sagração da Primavera” para uma única companhia, o Ballet da Ópera de Paris.
A primeira vez que veio a Lisboa, para os VIII Encontros Acarte em 94, trouxe um conjunto notável de obras e o sucesso foi retumbante. Voltaria várias vezes, designadamente em 98, ano em que criou, a convite da Expo, a belíssima peça “Masurca Fogo”. Não terá sido a primeira obra em que demonstrava um certo bem estar com a vida mas a verdade é que a luminosidade de Lisboa, a melancolia dos lisboetas e as idiossincrasias dos seus habitantes dos subúrbios terão inspirado em Pina uma das mais belas obras que criou nas várias cidades em todo o Mundo onde fez residências artísticas. Em Maio do ano passado foi-lhe dedicado um “Festival Bausch” no Teatro Municipal S. Luiz e no Centro Cultrural de Belém, na capital portuguesa.
Sobreviveu-lhe um filho, Rolf, que teve do cenógrafo Peter Pabst - colaborador que a acompanhou no início da sua carreira e lhe deu enorme apoio antes de falecer, quando o talento e o trabalho de Pina estavam começando a ser verdadeiramente reconhecidos - bem como o companheiro, Ronald Kay.

terça-feira, 6 de março de 2012

oba!

Como repensar nossos costumes? Como fazer um ambiente sensato, sem destruições? Como não destruir a si mesmo?
É comum, hoje em dia, a panacéia de construir um meio-ambiente melhor. Reciclando, repensando. O lixo deve ser separado, as pontas de cigarro devem ser exterminadas, os plásticos, os alumínios, as baterias dos aparelhos, as radiografias, os remédios velhos...
Mas, de que adianta tudo isso, se não formos melhores? 
Não adianta fazer apenas para o espectador ver. Temos que fazer para nosso pequeno mundo doméstico, conscientemente, e, somente depois, estender ao resto.
Durante muito tempo o espaço privado era privado, agora é público. E o que deveria ser público, tornou-se direito privado.
Quem não tem abc, não sabe como se refazer. Mal tendo o que comer, mal tendo o que vestir, nem tendo o que estudar, nem o espaço físico para a escola, nem a escola decente...
Romantismo?
Está na hora de se refazer velhas diretrizes que nunca envelhecem.
É um pé no saco, ter que ser um pacote de funções éticas e politicamente corretas, quando na verdade o que desejamos é exatamente o descompromisso, o contrário. Mas já que tem que ser feito, puts!, então vamos acordar, né manos?
Mas estamos errados. Erramos por soberba, por arrogância intelectual. Onde? Como podemos falar em qualidade de vida e sustentabilidade, se não começarmos por nós mesmos?
Pois é...


ailson leite - PELA PALAVRA 2012 -

segunda-feira, 7 de novembro de 2011

A Literatura em Perigo - o texto, de Todorov, era o enunciado de uma das questões da prova da UNESP, ontem. Primoroso!


A análise das obras feita na escola não deveria mais
ter por objetivo ilustrar os conceitos recém-introduzidos
por este ou aquele linguista, este ou aquele teórico da
literatura, quando, então, os textos são apresentados
como uma aplicação da língua e do discurso; sua tarefa
deveria ser a de nos fazer ter acesso ao sentido dessas
obras — pois postulamos que esse sentido, por sua vez,
nos conduz a um conhecimento do humano, o qual
importa a todos. Como já o disse, essa ideia não é
estranha a uma boa parte do próprio mundo do ensino;
mas é necessário passar das ideias à ação. Num relatório
estabelecido pela Associação dos Professores de Letras,
podemos ler: “O estudo de Letras implica o estudo do
homem, sua relação consigo mesmo e com o mundo, e
sua relação com os outros.” Mais exatamente, o estudo
da obra remete a círculos concêntricos cada vez mais
amplos: o dos outros escritos do mesmo autor, o da
literatura nacional, o da literatura mundial; mas seu
contexto final, o mais importante de todos, nos é
efetivamente dado pela própria existência humana. Todas
as grandes obras, qualquer que seja sua origem,
demandam uma reflexão dessa dimensão. 
O que devemos fazer para desdobrar o sentido de uma
obra e revelar o pensamento do artista? Todos os
“métodos” são bons, desde que continuem a ser meios,
em vez de se tornarem fins em si mesmos. (...)
(...)
(...) Sendo o objeto da literatura a própria condição
humana, aquele que a lê e a compreende se tornará não
um especialista em análise literária, mas um conhecedor
do ser humano. Que melhor introdução à compreensão
das paixões e dos comportamentos humanos do que uma
imersão na obra dos grandes escritores que se dedicam
a essa tarefa há milênios? E, de imediato: que melhor
preparação pode haver para todas as profissões baseadas
nas relações humanas? Se entendermos assim a literatura
e orientarmos dessa maneira o seu ensino, que ajuda
mais preciosa poderia encontrar o futuro estudante de
direito ou de ciências políticas, o futuro assistente social
ou psicoterapeuta, o historiador ou o sociólogo? Ter
como professores Shakespeare e Sófocles, Dostoievski e
Proust não é tirar proveito de um ensino excepcional? E
não se vê que mesmo um futuro médico, para exercer o
seu ofício, teria mais a aprender com esses mesmos
professores do que com os manuais preparatórios para
concurso que hoje determinam o seu destino? Assim, os
estudos literários encontrariam o seu lugar no coração
das humanidades, ao lado da história dos eventos e das
ideias, todas essas disciplinas fazendo progredir o pensa -
men to e se alimentando tanto de obras quanto de dou tri -
nas, tanto de ações políticas quanto de mutações sociais,
tanto da vida dos povos quanto da de seus indivíduos.
Se aceitarmos essa finalidade para o ensino literário,
o qual não serviria mais unicamente à reprodução dos
professores de Letras, podemos facilmente chegar a um
1acordo sobre o espírito que o deve conduzir: é necessário
incluir as obras no grande diálogo entre os homens,
iniciado desde a noite dos tempos e do qual cada um de
nós, por mais ínfimo que seja, ainda participa. “É nessa
comunicação inesgotável, vitoriosa do espaço e do
tempo, que se afirma o alcance universal da literatura”,
escrevia Paul Bénichou. A nós, adultos, nos cabe
transmitir às novas gerações essa herança frágil, essas
palavras que ajudam a viver melhor.


(Tzvetan Todorov. A literatura em perigo.
2 ed. Trad. Caio Meira. Rio de Janeiro:
DIFEL, 2009, p. 89-94.)

sábado, 5 de novembro de 2011

BIBLIOTECAS CIRCULANTES DE SÃO PAULO, SÃO SAQUEADAS.

O acervo cultural de São Paulo perde 86,7 mil livros por ano. Levantamento feito pela reportagem com dados de 70 bibliotecas e pontos de leitura municipais mostra que 347 mil livros sumiram das prateleiras entre 2006 e 2010. A queda geral nos últimos quatro anos é de 12%. Mas há unidades em que seis de cada dez obras desapareceram.
O número revela que falta manutenção nos acervos municipais, uma vez que os exemplares perdidos não são repostos na proporção equivalente. Em dezembro de 2006, a capital tinha 2,88 milhões de livros - no mesmo período do ano passado, eram 2,53 milhões. A queda ocorre tanto entre os gêneros adultos quanto entre os dedicados ao público infanto-juvenil, ainda que em menor proporção. E mesmo em locais que contam com telecentros, condição considerada essencial para atrair leitores.
Realizada pela Rede Nossa São Paulo com informações da Secretaria Municipal da Cultura, a pesquisa mostra ainda que apenas 21 unidades seguiram o caminho inverso no período, ou seja, registraram ampliação do estoque. É o caso da Mario de Andrade, a primeira e maior biblioteca pública da capital, fundada em 1925 e reinaugurada em janeiro, após reforma. O ganho foi de 21 mil exemplares. As demais somam prejuízos.
Há pelo menos três motivos que explicam a diferença: conservação inadequada, atraso na devolução dos empréstimos e fatores externos, como enchentes. De acordo com bibliotecários da rede ouvidos pela reportagem, a informatização do sistema que permite a retirada também acelerou a saída de livros das prateleiras públicas. No processo, iniciado em 2008, houve transferência de exemplares para escolas ou mesmo descarte de títulos.

 As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

por Ailson Leite

Lembro que nos anos noventa, creio eu que por volta de 1993, fui emprestar um manual de  A Vida é Sonho, de Calderon de La Barca,  na Biblioteca Mario de Andrade, no centro da cidade de São Paulo. Naquele tempo, a circulante também funcionava ali.
Fiquei indignado porque a digníssima funcionária trouxe-me uma edição muito antiga, do início do século. O livro, que já estava despedaçado, acabou de desfazer-se quando a funcionária jogou-o sobre o balcão, para mim.
Achei aquilo um tremendo descaso e uma desconsideração que, só poderia partir de uma pessoa cuja ignorância jamais seria capaz de lhe esclarecer sobre a importância do serviço prestado, muito menos do estrago que ela fazia contra Calderon.
Na época, só não a chamei de santa. O resto, vocês podem imaginar. E a infeliz ainda  me  disse ''desacato  a  funcionário público é crime, mocinho! '. '' Ai, que vontade que me deu de cometer um ''funcionáriopúblicocídio''.
A desorganização e a displicência, além da completa falta de noção da funcionária, me deixaram indignado.
Demorou-se muito tempo para que as circulantes, pensassem em ser mais organizadas. E, sinceramente, não o são, ainda, pelo menos.
Com relação ao desaparecimento dos livros, muito me admira que os leitores, tantos (!), levem os exemplares e não os devolvam. E quanto a isso, acho que a Prefeitura de São Paulo não é a maior culpada. O fato é cultural. Há uma total falta de respeito dos usuários que, quando tem um serviço que não funciona, fazem questão de reclamar.
Enfim, há muito que se organizar ainda, partindo inicialmente da premissa de que a educação é o início de tudo. O resto é consequência.

A MODERNA É ANTIGA FORMA DE VIVER


por Ailson Leite

Sem levantar bandeiras... não gosto muito de bandeiras.

Um adolescente de 14 anos foi suspenso em uma escola pública em Palm Bay, no estado da Flórida (EUA), porque deu um abraço em uma colega, segundo reportagem da emissora de TV "WKMG Local 6".
Nick Martinez foi suspenso por exposição pública de afeto. A escola tem uma política rigorosa e proíbe abraços entre alunos. "Somos uma família hispânica e abraços fazem parte de nossa cultura", disse Nancy Crescente.
A escola puniu os dois alunos, apesar de o diretor ter reconhecido que o abraço foi inocente.
Pergunto: o que há de mais medíocre que reprimir quaisquer manifestações de afeto entre alunos, ainda mais em terras norte-americanas, cujo mote expressivo cultural é a violência?
O grande lance não é nem questionar a sexualidade dos garotos, mas a repressão baseada no século ... antes de existir a célula. Num momento em que precisamos de amor. Apenas amor.
Julga-mo-nos modernos e articulados, hi! Dize-mo-nos descolados... A moderna é a antiga forma de viver.
Ainda somos herdeiros do ''pecado original'' e a ele seremos sempre subjugados. A mulher errou por ter comido a maçã e experimentado o  '' saber ''; continuou errando por ter levado o homem com ela, ... e etc...
Ainda somos herdeiros de uma religião repressora e moralista, exatamente no momento em que o mundo pede diálogo, entendimento e ''  re-humanização ''.
Não deveria importar quem curte o quê? Ou por quê o rosa do que o azul? O homem ou a mulher? O gênero, a cor... Deveria importar o bom convívio, o coexistir entre os diferentes, o que, aliás parece mais interessante que a monotonia.

VIVA A LIBERDADE.


sexta-feira, 4 de novembro de 2011

Novo filme de Pedro Almodóvar... (da redação do Yahoo Brasil )

Carla Navarrete da redação do Yahoo Brasil

La Piel que Habito



Iniciada em 1982, a parceria entre Antonio Banderas e Pedro Almodóvar rendeu cinco filmes até 1990, incluindo os clássicos “Mulheres à Beira de um Ataque de Nervos” (1988) e “Ata-Me” (1990). Depois disso, Banderas foi para a terra do Tio Sam, casou-se com a atriz Melanie Griffith e se tornou ícone do esteriótipo de amante latino em Hollywood. Já Almodóvar continuou filmando na Espanha e se aperfeiçoando.
Cerca de 20 anos depois, eis que os dois voltam a trabalhar juntos em “A Pele que Habito”, que estreia nesta sexta-feira (4) nos cinemas brasileiros. Mais uma vez, Almodóvar recorre ao suspense para contar uma história que nas mãos de qualquer outro diretor viraria um filme gore (gênero em que sangue e vísceras imperam na trama). Nas mãos do espanhol, porém, é pura arte.

Baseada no livro “Tarantula”, do francês Thierry Jonquet (1954-2009), a produção é centrada no cirurgião plástico Robert Ledgard (Banderas), um brilhante médico assombrado por uma tragédia familiar. Vivendo recluso na cidade de Toledo, ele desenvolve um tipo de pele artificial, que utiliza tecidos de porcos, e que resiste a qualquer tipo de dano.

O que o cirurgião não revela a seus companheiros de pesquisa é que os testes para desenvolver a pele especial não foram feitos em animais, como era de se esperar, e sim na misteriosa Vera (Elena Anaya, que na tela lembra muito a atual musa de Almodóvar, Penélope Cruz). A jovem vive trancafiada em um quarto na mansão de Robert, sob os cuidados da governanta Marilia (Marisa Paredes, também constante na obra do diretor).



Sob os olhos da serviçal, o médico e a bela mulher vivem uma relação nada clara aos olhos do espectador. Contudo, o filme vai revelando pouco a pouco o passado sombrio que uniu os dois, em uma virada surpreendente.

Almodóvar nem sempre se sai bem quando foca no universo masculino, a exemplo de “A Má Educação” (2004), um dos filmes mais fracos de sua atual fase mais madura. Mas isso não acontece em “A Pele que Habito”, cuja tensão prende do começo ao fim. E ainda sob uma estética que se aproxima do lirismo.

No longa ainda sobram referências ao Brasil (uma paixão do diretor), sob a figura de Zeca (Roberto Álamo), personagem que chega para bagunçar a vida de sua mãe, a governanta Marilia, e a de Robert. No entanto, o malandro de sotaque esquisito é o típico esteriótipo de brasileiro mal-intencionado, que vai à Europa para viver na criminalidade. Para quem não se incomodar com isso, o filme vale muitíssimo a pena.


Veja o trailer abaixo:

LA PIEL QUE HABITO


ESTUDANTES OCUPAM REITORIA NA USP


por Ailson Leite


E o problema talvez nem seja a legalização da maconha na USP, mas a rebeldia '' mascarada ''.
Sem moralismos, sou a favor da liberdade completa de expressão, mas que se faça com a cara exposta amigos '' uspianos ''. Se vão ocupar, se acham que a razão lhes pertence, então mostrem a cara.
Mas vamos pensar um pouco?
Há uma história clara de violência no campus da Universidade, então, é importante que haja policiamento. Ponto.
Quanto aos '' fumeiros '', aí é uma outra questão. A idéia de ser ou não legal, dá-se por leis que vão além da esfera estadual, a que a USP está subjugada.
Posso sugerir? Ocupem Brasília. Cobrem do Governo Federal, mas lembrem-se que para que a coisa aconteça de maneira sensata e civilizada, é preciso que se tenha estrutura e cultura para isso. E nem se trata de ser a favor ou contra. Trata-se de diálogo.
Não se pode ocupar apenas por ocupar, ou querer ser do contra. E, caso a ocupação seja inevitável, tanto num caso como no outro, há que se dar a cara pra apanhar também.
Acho louvável até que se façam movimentos, organizações e etc..., ainda mais em época de relativismos éticos blindados, mas então que se cobre de quem deve ser cobrado.
Enfim, sei que até vão me chamar de reacionário, já que ler e entender também são dois processos bem distintos, apesar de minados um do outro, assim sendo, digo-lhes, entendam primeiro, antes de criticar. 
VIVA A JUVENTUDE, como queria Oswald, mas VIVA COM INTELIGÊNCIA.



- a CHARGE é do ALPINO - 

Alberto Alpino Filho é capixaba e começou carreira de cartunista em 2001, com a tira "Luzia" no jornal A Gazeta.


Publica a tira "Samanta" em alguns periódicos nacionais e as charges diárias no Folha Vitória. Sua principal referência é James Thurber (1894-1961).


Alpino publica charges diariamente no Yahoo!

terça-feira, 1 de novembro de 2011

A NOVELA ENEM ANUNCIA, MAIS UM CAPÍTULO...

BRASÍLIA - Um dia após a Justiça Federal do Ceará conceder liminar que anula 13 questões do último Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), o Ministério da Educação (MEC) divulgou nesta terça-feira que o cancelamento dos 13 itens "não afeta a pontuação" do exame, que é composto por 180 questões e uma redação. O MEC reiterou a disposição de recorrer ao Tribunal Regional Federal da 5.ª Região, em Recife, contra a decisão da 1.ª Vara da Justiça Federal de Fortaleza.
O juiz substituto Luis Praxedes atendeu a pedido do Ministério Público Federal e anulou, na segunda-feira à noite, 13 questões que vazaram, dias antes do exame, para alunos do Colégio Christus, uma escola particular de Fortaleza. A decisão vale em todo o país.
Em nota, o MEC diz que a Teoria de Resposta ao Item (TRI), utilizada no exame, garante que a nota dos participantes não será afetada, caso prevaleça a liminar que cancelou as 13 questões. Com 13 itens a menos, restariam 167 perguntas válidas, número que, segundo o MEC, é suficiente para calcular as notas dos 4 milhões de participantes do Enem nos dias 22 e 23 de outubro.
De qualquer forma, o ministério argumenta que a melhor solução seria reaplicar o Enem apenas aos estudantes do Colégio Christus. O MEC até admite a possibilidade de exigir que o exame seja refeito não só pelos 639 alunos de ensino médio da escola de Fortaleza, mas também por todos os alunos da instituição, que oferece curso pré-vestibular. Mas é contra a anulação nacional das questões.
A justificativa do MEC para defender que apenas os alunos do Christus refaçam a prova é que somente eles teriam se beneficiado indevidamente do acesso antecipado a questões do exame, dispondo inclusive de mais tempo para dedicar à resolução dos demais itens.
Veja a íntegra da nota:
"O Ministério da Educação e o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (Inep) informam que mantém a disposição de recorrer da sentença do juiz da 1ª Vara Federal, Luis Praxedes Vieira da Silva, ao Tribunal Regional Federal da 5ª Região, em Recife. A decisão foi tomada pelo ministro Fernando Haddad e pela presidente do Inep, Malvina Tuttman, tão logo tomaram ciência da decisão judicial de Fortaleza.
O MEC e o Inep entendem que a sentença de primeira instância foi desproporcional, ao cancelar em todo o país 13 questões do Exame Nacional de Ensino Médio (Enem) realizado nos dias 22 e 23 de outubro, que teriam sido apropriadas pelos alunos do Colégio Christus, em Fortaleza.
Ressalva-se que a sentença preserva o exame, na medida em que afasta a possibilidade de cancelamento da prova em todo o território nacional, como era a pretensão do Ministério Público Federal do Ceará.
Por outro lado, ainda que confortável na posição de que pela Teoria de Resposta ao Item (TRI) o cancelamento das 13 questões em todo o país não afeta a pontuação do Enem, o Ministério da Educação e o Inep entendem que a arguição proposta de cancelar as provas unicamente dos alunos do Christus ou até do complexo educacional da instituição tem um caráter pedagógico e restabelece a isonomia, uma vez que somente aqueles alunos tiveram uma vantagem no tempo dedicado à resolução das 180 questões aplicadas.
Desta forma, depois de ouvir a Advocacia Geral da União (AGU), o Ministério da Educação e o Inep mantém a disposição de recorrer da decisão da Justiça Federal do Ceará.

ACALMEM-SE VESTIBULOSOS, O MUNDO NÃO VAI ACABAR.

O prognóstico maia do fim do mundo foi um erro histórico de interpretação, segundo revela o conteúdo da exposição "A Sociedade e o Tempo Maia" inaugurada recentemente no Museu do Ouro de Bogotá.
O arqueólogo do Instituto Nacional de Antropologia e História do México (INAH) e um dos curadores da mostra, Orlando Casares, explicou à Agência Efe que a base da medição do tempo desta antiga cultura era a observação dos astros.
Eles se baseavam, por exemplo, nos movimentos cíclicos do sol, da lua e de Vênus, e assim mediam suas eras, que tinham um princípio e um final.


"Para os maias não existia a concepção do fim do mundo, por sua visão cíclica", explicou Casares, que esclareceu: "A era conta com 5.125 dias, quando esta acaba, começa outra nova, o que não significa que irão acontecer catástrofes; só os fatos cotidianos, que podem ser bons ou maus, voltam a se repetir".
Para não deixar dúvidas, a exposição do Museu do Ouro explica o elaborado sistema de medição temporal desta civilização.
"Um ano dos maias se dividia em duas partes: um calendário chamado 'Haab' que falava das atividades cotidianas, agricultura, práticas cerimoniais e domésticas, de 365 dias; e outro menor, o 'Tzolkin', de 260 dias, que regia a vida ritualística", acrescentou Casares.
A mistura de ambos os calendários permitia que os cidadãos se organizassem. Desta forma, por exemplo, o agricultor podia semear, mas sabia que tinha que preparar outras festividades de suas deidades, ou seja, "não podiam separar o religioso do cotidiano".
Ambos os calendários formavam a Roda Calendárica, cujo ciclo era de 52 anos, ou seja, o tempo que os dois demoravam a coincidir no mesmo dia.
Para calcular períodos maiores utilizavam a Conta Longa, dividida em várias unidades de tempo, das quais a mais importante é o "baktun" (período de 144 mil dias); na maioria das cidades 13 "baktunes" constituíam uma era e, segundo seus cálculos, em 22 de dezembro de 2012 termina a presente.
Com esta explicação querem demonstrar que o rebuliço espalhado pelo mundo sobre a previsão dos maias não está baseado em descobertas arqueológicas, mas em erros, "propositais ou não", de interpretação dos objetos achados desta civilização.
De fato, uma das peças-chave da mostra é o hieróglifo 6 de Tortuguero, que faz referência ao fim da quinta era, a atual, neste dezembro, a qual se refere à vinda de Bolon Yocte (deidade maia), mas a imagem está deteriorada e não se sabe com que intenção.
A mostra exibida em Bogotá apresenta 96 peças vindas do Museu Regional Palácio Cantão de Mérida (México), onde se pode ver, além de calendários, vestimentas cerimoniais, animais do zodíaco e explicações sobre a escritura.
Para a diretora do Museu do Ouro de Bogotá, Maria Alicia Uribe, a exibição desta mostra sobre a civilização maia serve para comparar e aprender sobre a vida pré-colombiana no continente.
"Interessa-nos de alguma maneira comparar nosso passado com o de outras regiões do mundo", ressaltou Maria sobre esta importante coleção de arte e documentário.
A exposição estará aberta ao público até o dia 12 de fevereiro de 2012, para depois deve ser transferida para a cidade de Medellín.

PORTANTO, VAMOS ABRIR UM BOM VINHO E FESTEJAR A VIDA, AFINAL, QUEM NÃO VIVE, TEM MEDO DA MORTE.

quinta-feira, 27 de outubro de 2011

O Ministério da Educação confirmou nesta quinta-feira (27) que as questões do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) que vazaram estavam no pré-teste aplicado no Colégio Christus, em Fortaleza, em outubro de 2010.
De acordo com nota publicada no site do MEC, a conclusão foi de que as questões de matemática e ciências da natureza e ciências humanas e linguagens de dois dos 32 cadernos de questões do pré-testes foram copiadas, das quais 14 constavam da prova do Enem 2011.
Ainda, de acordo com o texto, todos os cadernos foram devolvidos, devidamente conferidos, e depois incinerados. Não houve, portanto, extravio do material.

O pré-teste foi aplicado para duas turmas, também sorteadas, uma de 47 alunos e outra de 44 alunos, em um dia normal de aula. Os alunos e a escola haviam sido informados apenas de que se tratava de um pré-teste para o banco nacional de itens, que auxiliaria nas avaliações da educação básica.

Segundo a nota publicada pelo MEC, os pré-testes aplicados pelo Inep seguem procedimentos sigilosos. Apenas os alunos têm acesso aos cadernos durante a aplicação que é acompanhada por três fiscais em cada turma.
O MEC enfatizou que as questões reproduzidas não eram de domínio público, e não poderiam ter sido memorizadas pelos estudantes, devido ao grau de detalhismo e similaridade. Também está afastada a hipótese de que as questões teriam circulado pela web antes da realização da prova.
De acordo com a nota, a decisão do Inep de cancelar as provas realizadas pelos alunos do Colégio Christus baseia-se unicamente no princípio da isonomia, fazendo-se justiça. "Na medida em que os estudantes do colégio tiveram acesso a essas questões, eles passaram a ter vantagem em relação aos demais participantes. Assim, a reaplicação da prova é a melhor forma de compensar prejuízos ou favorecimentos a qualquer participante, já que a metodologia de análise dos resultados permite a comparabilidade", diz o texto.

OPINIÃO
por  Ailson Leite
Minha '' nossa senhora da boa prova '', será que o ministro da educação (perdoem a letra minúscula, mas faz jus a ele) não '' se liga, mano '' ?
E depois me acusam de ser político demais, fundamentalista ou ''verborragicamente '' discursivo. Mas como não ser agudo quando se tratam de questões que, a priori, já teriam que ter uma organização? E mais ainda, como não se manifestar diante da incompetência de um serviço ou de questões que são, no mínimo básicas para  um ''melhor viver'' ?  
A base de tudo é a educação. Um país só vai ser melhor quando, mesmo que há longo prazo,  suas crianças forem tratadas como cidadãos, com um sistema educacional digno. Creio que a palavra é esta: DIGNIDADE!
Escolas melhores, professores mais respeitados, informação decente para professores e alunos e um sistema de ensino mais decente, do fundamental ao  superior, com ENEM e tudo '' velho ''.
E ainda me acusam de ser... ah... deixemos isso pra lá.